Portugues

 

 

Home English Espanol Francais Deutsch Portugues Cesky Slovensky Polski Italiano

 

INSTITUTO SECULAR FEMININO DE 

DIREITO PONTIFICIO

Que procuras?

bullet Um caminho para responder ao chamamento de Deus: queres dar Lhe

toda a tua vida.

 

bullet Tens a certeza de que Ele te quer no local onde estás, na tua profissão, na tua família, no teu meio de vida 

Ouvimos este mesmo chamamento e procuramos responder – lhe  

CARITAS CHRISTI 

bullet O amor de Cristo seduziu - nos e queremos dar – Lhe toda a

         nossa vida

 

bullet Entregar – nos totalmente a Ele na e pela nossa

         condição de leigas

 

bullet Viver plenamente a nossa consagração baptismal no celibato escolhido

         por amor a Ele

 

  na Igreja e para a Igreja

                                  escondidas com Cristo no segredo do Pai 

  em comunhão fraterna 

Este compromisso corresponde a todos os aspectos do nosso chamamento e conduz – nos a uma profunda unidade de vida.

Quem somos 

                         Desde o início, Caritas Christi foi pensado e querido numa perspectiva universal em todas as dimensões da palavra. 

bullet Somos mulheres católicas, leigas, vindas de todas as profissões, de todos os meios, de todos os continentes. 

 

bullet Pela nossa imensa diversidade, procuramos exprimir em conjunto um aspecto do chamamento de todos à santidade.

 

bullet A nossa vocação põe – nos no centro da missão universal da Igreja como leigas contemplativas - apostólicas. 

 

bullet Permanecemos na nossa inserção natural onde assumimos os deveres,

         as responsabilidades.

 

bullet E os serviços ligados à nossa missão particular

         que tem como raiz o baptismo:

                                      Dar testemunho de Cristo pela nossa vida e presença em todas as realidades do mundo. 

bullet Por isso, salvo se for absolutamente necessário, guardamos discrição sobre a nossa doação em Caritas Christi.

 

bullet Comunitárias e em ocasião nenhuma podemos pedir ao 

          instituto egurança material.

 

 Como e com que espírito vivemos?

 

bullet Cristo chama – nos a permanecer n’Ele como Ele mesmo permanece

          em nós.  Faz - nos participar na sua própria oração e viver do seu

         Espírito.

 

bullet Untas, em comunhão fraterna, ajudamo – nos a viver neste espírito. 

 

bullet Esta vocação partilhada, expressa na Lei de Vida de Caritas Christi, cria entre nós laços fraternos. 

 

bullet Mao vivemos em comunidade, mas reunimo – nos regularmente.

 

bullet Uma ajuda pessoal e a partilha em grupo permitem – nos aprofundar,

          no respeito pelas nossas diferenças a nossa resposta quotidiana ao

          chamamento de Deus.

 Quais são as etapas de uma caminhada em Caritas Christi?

bullet A formação inicial de 3 anos deve permitir descobrir a vocação de.

           Caritas Christi e discernir se ela corresponde ao chamamento recebido.

 

bullet Vive – se no local onde estamos através do diálogo e é sempre

           adaptada às condições reais da vida e da vocação pessoal de

           cada uma.

 

bullet Depois, compromissos anuais vão marcando a caminhada até a um

           compromisso definitivo:   doação reconhecida pela Igrejabn.

 SECRETARIADO CARITAS CHRISTI
Av: Duque de Ávila, 26 - 2º
1000-141 Lisboa Telefone   00351-213530839

 

 

 

Traços essenciais

 

Reunião internacional do Porto

 

Instituto secular Caritas Christi

 

Quem somos?

 

Caritas Christi é um instituto secular aprovado pela Igreja para mulhe­res dos 20 aos 45 anos (celibatárias, viúvas ou divorciadas) que quei­ram consagrar a sua vida totalmente a Deus no mundo. Mulheres leigas de diferentes nacionalidades sentiram-se chamadas a esta vocação. Há dife­renças de cultura, de mentalidade e de concepção entre nós. O que nos une é o amor de Deus. Este amor dirigiu-se a cada uma de nós, pessoalmente. Deus chamou-nos à vida com Ele e para Ele no mundo. Nós respondemos a este amor decidindo com toda a liberdade viver plenamente o nosso baptismo para a Igreja e no mundo. Deus ama-nos profundamente tais como só mós. A missão de CC é acender a chama do amor no mundo, amar os "outros como Deus os ama e permitir-lhes também amar Deus.

Como pode isso fazer-se?

 

Somos mulheres leigas e vivemos como as outras mulheres leigas, uma no meio das outras, sem que nada nos separe delas É na nossa vida quotidiana que encontramos Deus. Quaisquer que sejam as coisas que formos chamadas a fazer, grandes ou pequenas, o que conta é o grau de amor que nelas pomos. Ser é mais importante do que fazer.

Estamos abertas aos outros no local onde vivemos e trabalhamos e no trabalho, no meio da família, com os amigos, nos sindicatos, na polí­tica, na aldeia, na paróquia, estamos ao serviço da Igreja. Amamos o mundo porque o mundo é amado por Deus. O mundo é um local divino, é o espaço em que Deus espera a minha colaboração. Somos solidárias do mun­do nas suas esperanças, alegrias e desgostos.

Estamos comprometidas na construção duma sociedade que respeite cada ser humano e que seja fundada sobre a justiça e a paz. Quando temos de tomar decisões, tanto sobre questões importantes, tais como a mundialização e o ambiente, como sobre assuntos menos importantes, procuramos ter as mesmas intenções que tinha o Filho de Deus quando veio ao mundo. Toda a injustiça e toda a busca da verdade, da beleza e da bondade, tudo é um desafio para nós. Não é, evidentemente, por termos respostas para todos os problemas, mas é principalmente, porque todas as circunstân­cias da vida e da morte dos seres humanos são para nós uma ocasião de dar testemunho da obra salvadora de Deus.

Ao longo da nossa vida queremos ser uma Mensagem de Deus; queremos dar testemunho do amor de Deus, ser o espelho e a luz do Seu amor no nosso próprio meio de vida.

1

Queremos ser fermento, sal e luz para permitir ao mundo mudar a partir do interior e transformar-se num local habitável para todos. Queremos ser testemunhas da ressurreição e dar corpo ao «sim» de Deus por toda a vida, vivendo na esperança e na confiança.

Consideramo-nos uma ponte entre a Igreja e o mundo. Queremos que todos os que nos rodeiam conheçam o amor de Cristo e saibam que Ele está junto deles. Queremos que eles vejam que a Igreja nasceu do amor, e queremos que o amor pela Igreja cresça. Partilhamos também, o que é talvez o mais difícil para a Igreja, ou seja, a sua renovação e o seu desen­volvimento .

A nossa vocação leva-nos ao coração da Igreja, que é o sinal e o meio de uma união íntima de toda a humanidade com Deus. Pela nossa doação oferecemo-nos a Deus para a Igreja. A nossa vida quotidiana une-nos à Igreja e a nossa oração quotidiana pela Igreja é vital para a nossa vocação.

Como é que a nossa vocação de Caritas Christi nos ajuda a consegui-lo?

 

Respondemos ao chamamento de Deus escolhendo livremente viver totalmente com Deus e para Ele. Encontramo-nos com outras que receberam o mesmo apelo e que prosseguem a mesma caminhada. Delas recebemos o apoio e encoraja­mento necessários para continuar nesta vocação exigente. Fizemos a es­colha de Deus o que nos exige uma confiança absoluta n’Ele. Vivemos no seu amor e desejamos agradar-Lhe em todas as coisas.

Fazemos um dom (a doação) de todo o nosso ser a Deus, prometendo viver no celibato, escolhido por amor para que o amor de Deus possa crescer em nós. Vivendo em nós, Cristo está presente ao seu povo; Cristo, vivendo em nós, permite--nos conhecermo-nos melhor e tornarmo-nos conformes ao seu projecto a nosso respeito. Regozijamo-nos ao descobrir as riquezas da nossa personalidade humana. Aceitamos as nossas fraquezas e limitações, confiantes no amor de Deus que nos aceita tais como somos e está sempre pronto a perdoar .

Vivemos na abertura e na gratidão conscientes de tudo receber de Deus. Reconhecemos que esta responsabilidade nos impõe não ignorar as necessidades do mundo e empenha-nos em mudar o que está mal.

Deus chama-nos no local em que estamos e não quer que nos contentemos em viver ali, mas que aí nos comprometamos profundamente e que esteja mós atentas às pessoas que encontramos, assim como aos acontecimentos e aos problemas quotidianos. Esforçamo-nos por desenvolver as nossas competências, atitudes e talentos para responder às necessidades do mundo .

Num mundo em que o papel da mulher, as ideias sobre a sexualidade e as realidades sociais estão em mutação constante, devemos dar provasde criatividade e de discernimento na maneira de vivermos o celibato.

Cada membro de Caritas Christi tem de assumir a responsabilidade da sua própria vida e das decisões que se impõem. À luz do Evangelho e seguindo o exemplo de Cristo, ela pode ver tudo o que recebeu como dom do Pai, mas a utilizar segundo a vontade d’Ele. 

A nota dominante da nossa vida é o amor. Vivemos profundamente enrai­zadas em Deus. Quanto mais a nossa união com Cristo for estreita, mais o Evangelho se pode exprimir através do testemunho das nossas vidas vidas oferecidas a Deus no coração do mundo. Pela oração conseguiremos ver o mundo tal como é visto por Deus. Cada vez mais nos sentimos cheios do espírito de Cristo, e entregamos todas as coisas ao Pai: alegrias, esperança, sofrimento, pobreza, restrições, proble­mas, dor. A nossa vida torna-se oração. A oração é amor. A acção é amor. Não há separação. A nossa vida é amor.

A nossa comunhão em CC permite-nos aprofundar a nossa vida de oração:

- na solidão e em comunidade

- na oração pessoal e na oração em conjunto, no louvor e na  acção de graças

- no silêncio e na escuta, e no diálogo com a palavra de  Deus  na Escritura

- na meditação e na adoração

- nos sacramentos da cura e do perdão

Unimo-nos todos os dias na Eucaristia, à grande acção de graças da Igreja, para sermos transformadas pela palavra de Deus e assim nos inscrevermos no sacrifício perfeito pelo qual Cristo remiu o mundo.

Renovamos muitas vezes o '"sim a Deus que pronunciámos no dia da nossa Doação

Unimo-nos a Maria. O "sim" dela estava cheio de força e manteve-o até ao fim com coragem e alegria. De Maria aprendemos como viver, como amar Jesus e como segui-10. De Catarina de Sena aprende­mos como viver unidas profundamente a Cristo na realidade da nossa vida quotidiana, e como viver com coragem como membros activos e escla­recidos da Igreja.

 

alto da pagina